Pular para o conteúdo principal

NOTA DO PSTU DE CAMPINAS

O PT de Campinas soltou uma nota posicionando-se contra o apoio do PT a candidatos “golpistas” na votação para as presidências da Câmara dos Deputados e Senado Federal. O motivo desse posicionamento é o golpe sofrido pelo PT nacional com o impeachment da ex-presidenta Dilma. Na verdade, esta já era uma decisão tomada pelo PT nacional que, mais uma vez, apoiou um candidato dos patrões à presidência da Câmara, André Figueiredo, do PDT.

O que o PT de Campinas não diz é que o governo da Dilma cometeu estelionato eleitoral ao prometer, durante a última eleição presidencial, que não tiraria os direitos dos trabalhadores “nem que a vaca tussa”. Mas, diga-se de passagem, a vaca tossiu, pois logo após Dilma ser reeleita presidenta, o governo do PT atacou os trabalhadores tirando os direitos de seguro desemprego, pensão, alteração das regras do FGTS, entre outros.

O apoio do PT a candidatos da base do governo Temer não é novidade alguma. Foi fazendo aliança com os partidos da direita e governando para os patrões que o PT, com Lula na presidência desde 2002, governou o Brasil.

Essa aliança com a direita teve início com o empresário José de Alencar (do PL!), vice-presidente dos governos Lula, continuou com o apoio a candidatos do PMDB para a presidência do Senado, como Sarney e Renan, e dura até os dias de hoje, mesmo depois do suposto golpe. O PT apoiou o candidato do Temer, Rodrigo Maia, para a presidência da Câmara em julho de 2016 e coligou-se com o PMDB golpista em 1260 cidades e em 734 municípios com o supergolpista PSDB nas últimas eleições municipais. Isto é, o golpe é um fantasma que só assombra quando é conveniente aos interesses do PT.

O que aconteceu é que, ao atacar os direitos trabalhistas, Dilma traiu os trabalhadores e perdeu seu apoio. Assim, escolheu tirar o país da crise econômica atacando os trabalhadores e piorando sua vida. A burguesia aproveitou a perda do apoio popular e a crise política que assolou o governo federal com os escândalos de corrupção para desestabilizar o governo e votar no impeachment. Para os patrões, era necessário dar continuidade aos ataques, e para isso era preciso jogar o limão espremido no lixo depois de ter consumido todo seu caldo, mesmo que azedo.

Agora, o novo agente dos patrões, o governo Temer, que tem tão pouco apoio dos trabalhadores quanto Dilma, tem pressa em tirar direitos e quer fazer a reforma da previdência e trabalhista, reformas essas que estavam sendo preparadas ainda sob o governo Dilma. O negociado sobre o legislado, por exemplo, foi até defendido pela da CUT petista. É por isso que o PT nada faz contra essas reformas além de discursos no Congresso Nacional.

A história do golpe serve apenas para esconder que o PT da Dilma governou para os empresários, banqueiros, latifundiários e abandonou os trabalhadores. Agora o PT de Campinas, assim como o PT nacional, tenta construir uma saída eleitoral com esperanças de voltar ao governo em 2018. Esse é o objetivo da nota do PT de Campinas.

O PSTU defende o Fora Temer e Fora Todos, pois os trabalhadores não podem confiar na Câmara de Deputados, nem no Senado e no governo pois são um bando de picaretas corruptos inimigos do povo trabalhador. Nenhuma diferença fará a eleição desse ou daquele presidente da Câmara.

É preciso construir uma greve geral e parar o país, botando para fora todos eles e construir um governos socialista dos trabalhadores apoiado em conselhos populares. Já, não em 2018!

Só a luta dos trabalhadores pode barrar as reformas trabalhistas e da previdência e colocar na cadeia todos os corruptos e devolver tudo o que foi roubado a um fundo administrado pelos trabalhadores.

Os militantes de luta e honestos do PT de Campinas devem se somar ao chamado do PSTU e da CSP-Conlutas para construir a Greve Geral contra os ataques e inimigos dos trabalhadores.

Fora Temer!

Fora Todos!

Greve Geral para barrar os ataques contra os trabalhadores!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MACHISMO MATA DOZE EM CAMPINAS, OITO ERAM MULHERES

Por Laura Leal e Parintins Lima
Poucos minutos antes do dia 1º de janeiro de 2017, o técnico de laboratório Sidnei Ramis de Araújo, de 46 anos, matou a tiros a ex-mulher, mais 11 pessoas, sendo 7 mulheres durante o réveillon familiar no bairro Vila Proost de Souza, em Campinas (SP). Mais três pessoas ficaram feridas. O crime foi premeditado: o assassino, que se suicidou após o feminicídio, levava 10 bombas presas ao corpo e deixou um áudio gravado no celular e cartas com amigos endereçadas ao filho e à namorada.  Segundo testemunhas e as cartas, a motivação para matar as mulheres e as outras vítimas foi a guarda do filho que Sidnei disputava com a ex-mulher, Isamara Filier, de 41 anos, de quem estava em processo de separação. As cartas avisavam que Sidnei queria, segundo suas palavras, “pegar o máximo de vadias da família juntas”. Além disso, trechos de uma das cartas despreza a luta por direitos humanos e o feminismo. Num caso de feminicídio como este, que chamou a atenção de todo o …

PROGRAMA: EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO PÚBLICA, GRATUITA E DE QUALIDADE
A educação é um direito fundamental que (como a saúde, o transporte ou a segurança pública), para ser oferecido com qualidade, precisa de investimento. Com a crise econômica, os governos arrumam desculpa para cortar do orçamento o pouco que haviam garantido. Em Campinas, por exemplo, o governo havia reservado em dezembro de 2015 um orçamento de R$5 bilhões para o ano de 2016. Mas já em janeiro deste ano, Jonas Donizette anunciou um corte de pelo menos 20% da quantia aprovada, com a desculpa da crise econômica. Com esse tipo de corte (que também aconteceu nos Estados e no Governo Federal) as áreas mais afetadas sempre são a saúde e a educação. O corte serve para economizar dinheiro e garantir o lucro das empresas que são favorecidas pelo governo. Hoje os governos têm privilegiado os banqueiros e, no caso da educação, os donos das grandes redes privadas de ensino. Não adianta aumentar o investimento na educação e não garantir que a verba vá para…

PROGRAMA: EMPREGO

Segundo o IBGE, a taxa de desemprego no Brasil chegou ao patamar de dois dígitos, 10,2% no trimeste encerrado em fevereiro deste ano. No início do ano, já tínhamos 10,37 milhões de desempregados em todo o país. Em Campinas não é diferente. Pela primeira vez em 20 anos o índice do desemprego na cidade atingiu os dois dígitos. A cidade, que tem mais de um milhão de habitantes e 665 mil pessoas economicamente ativas, possui hoje mais de 68 mil desempregados. Em dois anos, o número de desempregados no município mais que dobrou. Em abril de 2014, eram 28.589, já no mesmo período deste ano o número saltou para 68.015 trabalhadores fora do mercado. Os números revelam que a taxa do desemprego na cidade atualmente é de 10,23%   da PEA – População Economicamente Ativa. Os dados são do IBGE, e baseados no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego. A política de isenções fiscais e subsídios que o Governo de Dilma e Lula concederam aos patrões só serviu para…