Pular para o conteúdo principal

MACHISMO MATA DOZE EM CAMPINAS, OITO ERAM MULHERES

Por Laura Leal e Parintins Lima

Poucos minutos antes do dia 1º de janeiro de 2017, o técnico de laboratório Sidnei Ramis de Araújo, de 46 anos, matou a tiros a ex-mulher, mais 11 pessoas, sendo 7 mulheres durante o réveillon familiar no bairro Vila Proost de Souza, em Campinas (SP). Mais três pessoas ficaram feridas. O crime foi premeditado: o assassino, que se suicidou após o feminicídio, levava 10 bombas presas ao corpo e deixou um áudio gravado no celular e cartas com amigos endereçadas ao filho e à namorada. 
Segundo testemunhas e as cartas, a motivação para matar as mulheres e as outras vítimas foi a guarda do filho que Sidnei disputava com a ex-mulher, Isamara Filier, de 41 anos, de quem estava em processo de separação. As cartas avisavam que Sidnei queria, segundo suas palavras, “pegar o máximo de vadias da família juntas”. Além disso, trechos de uma das cartas despreza a luta por direitos humanos e o feminismo.
Num caso de feminicídio como este, que chamou a atenção de todo o país algumas questões se mostram bastante claras. A primeira é que este não é o único, nem o primeiro e nem o último caso de feminicído do país. Infelizmente as estatísticas, as manchetes dos jornais e revistas, deixam isso bem claro. A violência contra a mulher no Brasil é uma epidemia. Da mesma forma como os assassinatos de negros e negras na periferia e de LGBTs. 
A segunda coisa que fica clara é que leis como a Lei Maria da Penha não foram capazes de diminuir a violência contra as mulheres. E isso se dá por diversos fatores. Não é possível combater a violência contra as mulheres se não existir emprego para elas, se não existir casas e abrigos, se seus filhos não tiverem escola e saúde públicas, gratuitas de qualidade; enfim, se os governos não investirem de fato parte do orçamento público no combate à violência doméstica. O que não tem sido feito desde a aprovação da referida lei em 2006.
A terceira questão é que se faz mais do que necessária a autodefesa das mulheres. O exemplo das mulheres do bairro Menino Chorão em Campinas deve ser compreendido e seguido. No capitalismo, o que pode proteger as mulheres são sua auto-organização e autodefesa e não apenas uma lei.
Por fim, em momentos de crise econômica o capitalismo se utiliza de todas as formas de opressão para manter seus lucros e justificar seus ataques à classe trabalhadora. Precisamos organizar a classe trabalhadora contra essas ideologias, que nos dividem.



É PRECISO IR ALÉM DA DEMOCRACIA BURGUESA 
Os governos não resolvem os problemas das trabalhadoras. É preciso organizar as mulheres para lutar por uma sociedade socialista.
• Efetivação da lei contra o feminicídio!
• Salários iguais para homens e mulheres na mesma função.
• Construção de lavanderias, restaurantes públicos, gratuitos e de qualidade para libertar as mulheres do serviço doméstico.
• Construção de creches públicas nos locais de trabalho, moradia e estudo, em tempo integral, para todos os filhos da classe trabalhadora, gratuitas, de qualidade e com profissionais capacitados.
• Implementação dos Centros de Referência da Mulher, financiados pelo Estado, para dar assistência social e garantir apoio jurídico e psicológico às mulheres vítimas de violência.
• Criar mecanismos de punição exemplar a todos os agressores de mulheres: violência física e psicológica, assédio moral e sexual.
• Criar políticas de combate e punição ao machismo, que transforma as mulheres em objetos sexuais, como nas propagandas de cerveja.
• Criar políticas de saúde pública que atendam às mulheres em todas as fases de sua vida e não apenas na reprodutiva; que deem conta da diversidade (negras, jovens, lésbicas, trans, idosas, portadoras de necessidades especiais).
• Contraceptivos gratuitos nas Unidades Básicas de Saúde (DIU, pílula, pílula do dia seguinte, camisinha feminina e masculina, etc.) sem burocracia.
• Criminalização da LGBTfobia.
• Aprovação da Lei João Nery, pelo Direito ao Nome Social.
• Por uma Educação Inclusiva. Vai ter Debate de Gênero, sim!
• Atendimento ao aborto legal em todos os hospitais, sem necessidade de apresentação do boletim de ocorrência; descriminalização e legalização plena do aborto.
• Aborto legal, gratuito e seguro!
• Nenhuma confiança nos governos! Fora todos eles! Por um governo socialista, dos trabalhadores, baseado em conselhos populares!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PROGRAMA: EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO PÚBLICA, GRATUITA E DE QUALIDADE
A educação é um direito fundamental que (como a saúde, o transporte ou a segurança pública), para ser oferecido com qualidade, precisa de investimento. Com a crise econômica, os governos arrumam desculpa para cortar do orçamento o pouco que haviam garantido. Em Campinas, por exemplo, o governo havia reservado em dezembro de 2015 um orçamento de R$5 bilhões para o ano de 2016. Mas já em janeiro deste ano, Jonas Donizette anunciou um corte de pelo menos 20% da quantia aprovada, com a desculpa da crise econômica. Com esse tipo de corte (que também aconteceu nos Estados e no Governo Federal) as áreas mais afetadas sempre são a saúde e a educação. O corte serve para economizar dinheiro e garantir o lucro das empresas que são favorecidas pelo governo. Hoje os governos têm privilegiado os banqueiros e, no caso da educação, os donos das grandes redes privadas de ensino. Não adianta aumentar o investimento na educação e não garantir que a verba vá para…

PROGRAMA: EMPREGO

Segundo o IBGE, a taxa de desemprego no Brasil chegou ao patamar de dois dígitos, 10,2% no trimeste encerrado em fevereiro deste ano. No início do ano, já tínhamos 10,37 milhões de desempregados em todo o país. Em Campinas não é diferente. Pela primeira vez em 20 anos o índice do desemprego na cidade atingiu os dois dígitos. A cidade, que tem mais de um milhão de habitantes e 665 mil pessoas economicamente ativas, possui hoje mais de 68 mil desempregados. Em dois anos, o número de desempregados no município mais que dobrou. Em abril de 2014, eram 28.589, já no mesmo período deste ano o número saltou para 68.015 trabalhadores fora do mercado. Os números revelam que a taxa do desemprego na cidade atualmente é de 10,23%   da PEA – População Economicamente Ativa. Os dados são do IBGE, e baseados no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego. A política de isenções fiscais e subsídios que o Governo de Dilma e Lula concederam aos patrões só serviu para…